A exegese de Heidegger na Crítica da razão pura: finitude como pressuposto de uma antropologia filosófica

Márcio Luiz da Silva

Resumen


O objetivo do artigo consiste em analisar, a partir dos parágrafos 34 a 38 da obra Kant e o problema da metafísica e segundo a exegese heideggeriana, o sentido e pertinência da inserção da problemática antropológica anteposta às três questões fundamentais expostas na Crítica da razão pura. Heidegger converte um rol exaustivo, delimitado pelas três perguntas (que posso saber? que devo fazer? que me é permitido esperar?), em um rol exemplificado (numerus apertus), ao colocar a indagação da antropologia filosófica como pressuposto e consequência necessária das três interrogações kantianas. Heidegger recorre ao conceito de finitude, para validar a importância e para fundamentar a primazia da questão antropológica sobre as demais: a interrogação “que é o homem” transforma-se na primeira que dispensa, a partir de si, as três restantes. Na finitude estão circunscritas as discussões sobre o tempo, a autoafecção pura, a imaginação e o tempo originário. É na finitude que estão os verdadeiros sinais ou ecos da antropologia filosófica kantiana.

Palabras clave


Autoafecção pura; Estética transcendental; Metafísica; Imaginação; Tempo originário

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Allison, H. (2000), “Where have all the categories gone? Reflections on Longuenesse's reading of Kant's Transcendental Deduction: Kant and the capacity to judge”, Inquiry, no. 43, pp. 67-80.

Allais, L. (2015), Manifest reality: Kant's idealism and his realism, Oxford University Press, Oxford.

Azevedo, J. H. A. (2019), A antropologia como finalidade da filosofia em Kant. 419 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

Beck, L. W. (1960), A commentary on Kant’s Critique of practical reason, University of Chicago Press, Chicago.

Bento, S. (2017), A interpretação heideggeriana da Crítica da Razão Pura: a questão da imaginação, Con-Textos Kantianos, no. 6, pp. 121-137.

Brandt, R. (2007), Was kann ich wissen? Was soll ich tun? Was darf ich hoffen?, en Die Bestimmung des Menschen bei Kant, Hamburg: Meiner.

Carr, D. (2007), Heidegger on Kant on Transcendence, em Crowell, S.; Malpas, J. (ed.). Transcendental Heidegger, California: Stanford University Press, pp. 28-42.

Chagas, F. C. (2012), O Cânon da razão pura, en Klein, J. T. (org.), Comentários às obras de Kant: Crítica da razão pura, Florianópolis: NEFIPO, pp. 721-746.

Fichant, M. (1999), Espaço estético e espaço geométrico em Kant, Analytica, v. 4, no. 2, pp. 11-32.

Gaygill, H. (2000), Dicionário Kant. Tradução Álvaro Cabral, Rio de Janeiro: Zahar.

Heidegger, M. (2019), Kant e o problema da metafísica. Trad. Alexandre Franco de Sá e Marco Antônio Casanova, Rio de Janeiro: Via Verita.

_________. (2015), Ser e tempo. 10. ed. Trad. Márcia Sá Cavalcante, Petrópolis: Vozes.

Henry, M. (2003), Phénoménologie de la vie I. De la phénoménologie, Paris: PUF.

Höffe, O. (2005), Immanuel Kant. Tradução Christian Viktor Hamm, Valério Rohden, São Paulo: Martins Fontes.

Inwood, M. J. (2002), Dicionário Heidegger, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Kant, I. (2006), Antropologia de um ponto de vista pragmático. Tradução Clélia Aparecida Martins, São Paulo: Iluminuras.

_________. (2001), Crítica da razão pura. 5. ed. Trad. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão, Lisboa: Calouste Gulbenkian.

_________. (1968), Kant’s Werke. Akademie-Textausgabe B. IX, Berlin: Walter de Gruyter & Co.

_________. (1992), Lógica (Jäsche). Trad. Guido de Almeida, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

_________. (2009), Lógica. [Excertos da] Introdução. Tradutor: Artur Morão, Covilhã: Universidade da Beira Interior.

Kahlmeyer-Mertes, R. S. (2012), Tradução: A fundamentação da metafísica em uma repetição, por Martin Heidegger, Revista Litteris, ano 4, no. 10.

Longuenesse, B. (2005), Kant on the human standpoint, Cambridge University Press, New York.

_________. (2000), Kant and the capacity to judge: sensibility and discursivity in the Transcendental Analytic of the Critique of pure reason, Princeton University Press, Oxford.

Loparic, Z. (1992), A finitude da razão: observações sobre o logocentrismo kantiano, em Rohden, V. (org.), 200 anos da Crítica da faculdade do juízo de Kant, Porto Alegre: Instituto Goethe, pp. 50-64.

Louden, R. B. (2011), Kant’s human being: essays on his theory of human nature, Oxford University Press, New York.

Lopes, W. E. S. (2020), Kant e a questão antropológica, Sofia, v. 9, no. 1, pp. 20-45.

Martins, F. (2009), Genealogia da psicanálise: o começo perdido, Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Pereira, R. H. S. (2021), Phenomenalism and Kant, Con-Textos Kantianos, no. 13, pp. 245-258.

Perez, D. O. (2018), O projeto antropológico de Kant, em Borges, M. L. (org.), Comentários sobre a Antropologia de um ponto de vista pragmático de Kant, Florianópolis: Nefiponline, pp. 54-83.

Reis, R. R. (2020), Heidegger e a ilusão transcendental, Studia Heideggeriana, v. I, pp 75-92.

Santos, L.; Marques, U.; Piaia, G; Sgarbi, M.; Pozzo, R. (2010), Was ist der Mensch? / Que é o Homem? Lisboa: Centro de Filosofia de Lisboa.

Scheler, M. (2003), A posição do homem no cosmos, Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária.

Schiller, S. (2019), A questão “homem” como problema fundamental da filosofia na perspectiva de Max Scheler, Basilíade, v. 1, no. 2, pp. 23-35.

Silva, J. O. (2013). Heidegger e Kant: O projeto ontológico de Ser e tempo e a interpretação fenomenológica da Crítica da Razão Pura. 106 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

Stein, E. (1993), Seminário sobre a verdade: lições preliminares sobre o artigo 44 de Sein und Zeit, Petrópolis: Vozes.

_________. (2014), Seis estudos sobre “Ser e tempo”. 5. ed. Petrópolis: Vozes.

Terra, R. (2012), A arquitetura da razão pura, en Klein, J. T. (org.), Comentários às obras de Kant: Crítica da razão pura, Florianópolis: NEFIPO, pp. 747-779.




DOI (HTML): https://doi.org/10.5281/zenodo.5776025

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Creative Commons by-nc 3.0 Logo

ISSN: 2386-7655

URL: http://con-textoskantianos.net

  Scimago Journal & Country Rankscopus logo

 

DOAJ LogoErih Plus LogoCitefactor logoredib Logo

LatIndex LogoISOC Logo MIAR Logo
SHERPA/RoMEO Logo
MLA LogoZenodo Logo
ESCI LogoEBSCO LOGOWeb of Science